Dicas do que comer para evitar lesões

Boa noite leitores,

Você costuma sentir dor muscular após fazer uma atividade física? Você já chegou a ter lesões relacionadas ao esporte? Sabia que existem vários alimentos poderosos que podem nos auxiliar nessas situações e até mesmo preveni-las? Vários alimentos têm mostrado efeitos positivos, vamos conhecê-los agora.

O organismo, para prevenção ou minimização dos efeitos colaterais causados pelo exercício intenso, ativa os mecanismos de defesa com a ajuda de alguns micronutrientes provindos da alimentação, é um processo natural do corpo. Treinamentos intensos e períodos de recuperação insuficientes não promovem benefícios, pelo contrário eles até aumentam as possibilidades do aparecimento de lesões.

O processo inflamatório é uma resposta de defesa do organismo, considerado um processo necessário quando relacionado ao treinamento físico regular e adequado, para a construção muscular. Nesse sentido, o equilíbrio entre as ações pró e anti inflamatórias contribuem para a recuperação, os nutrientes antioxidantes e anti inflamatórios são os que mais auxiliam o organismo nesse processo, são eles: ômega-3, zinco (clique aqui),  selênio (alimentos de origem animal – carnes, leite e ovos, castanha do pará, trigo, brócolis, couve), manganês (folhosos verde escuros, leguminosas, grãos integrais), cobre (castanhas, leguminosas, gergelim, girassol), quercetina (alho, cebola, maçã), catequina (chá verde, cacau), resveratrol (uva), curcumina (açafrão), gingerol (gengibre), capsaicina (pimenta), sulforano (crucíferas – brócolis, couve, repolho), vitamina A (clique aqui), vitamina E (clique aqui) e a vitamina C (clique aqui).

A suplementação quando necessária, e o consumo frequente de alimentos ricos em ômega-3 (clique aqui para saber mais), principalmente em praticantes e atletas de esportes de alta intensidade e longa duração, podem melhorar o músculo lesionado. Alimentos fontes de ômega-3: sementes oleaginosas (amêndoas, nozes, castanha de caju), azeite de oliva, abacate, linhaça e chia, e em peixes. Além destes nutrientes, uma má hidratação também pode favorecer o aparecimento de lesões, pois o músculo desidratado perde grande parte da sua contratilidade e elasticidade.

Contudo, é sempre importante lembrar que qualquer tipo de suplementação deve ser supervisionada por um nutricionista, pois doses elevadas utilizadas por períodos prolongados podem causar efeitos adversos no organismo, o mais recomendado para todas as pessoas é aumentar a ingestão de alimentos fontes.

Espero que tenham gostado e aprendido mais!

Fonte: Zinco, inflamação e exercício físico. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, 2014/ SILVA, Fernando Oliveira Catanho da; MACEDO, Denise Vaz. Exercício físico, processo inflamatório e adaptação: uma visão geral. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum,  Florianópolis, 2011/ CORDOVA, Alfredo; NAVAS, Francisco J.. Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício: papel dos antioxidantes. Rev Bras Med Esporte,  Niterói, 2000/ COQUEIRO, Daniel et al. Uso da suplementação de ácidos graxos pol-insaturados omega-3 associado ao exercício físico.  Goiânia, 2011

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s