Noz moscada: em o poder das especiarias

Boa noite leitores,

Você usa especiarias nas preparações culinárias do seu dia a dia? Pare um pouco, e tente lembrar quando foi a última vez que você adicionou alguma delas na sua lista de compras. Agora, você sabia que a quantidade correta de uma especiaria, seja qualquer uma dela, é capaz de prevenir doenças e que uma quantidade exagerada pode causar alguns efeitos colaterais?! Hoje, vamos aprender sobre a noz moscada.

A noz moscada, semente da árvore moscadeira, é utilizada há tempos no oriente, e foi introduzida na cultura ocidental ao final da idade média como condimento e conservante natural, devido às suas propriedades sensoriais, e como medicamento tradicional por beneficiar o sistema digestório, o sistema reprodutor e o sistema circulatório. Seu uso contínuo e adequado (cerca de 1 colher de café rasa por preparação – 2 g) tem efeitos anti-inflamatórios, antimicrobianos, antidiarreicos, hipo lipidêmicos (auxilia na perda de gordura), antitrombóticos , anti agregante plaquetária e afrodisíaco.

Sua composição é variável, em torno de 9% de água, 96%  de compostos nitrogenados, 33% de gorduras, 27 % de amido e 3% de celulose. Sendo capaz de prevenir a aterosclerose devido ao seu poder de reduzir os níveis séricos de colesterol total, LDL e VLDL, assim como aumentar os níveis de HDL (colesterol bom).

Ao contrário disso, estudos também mostram resultados negativos, quando a noz moscada é ingerida em grandes quantidades, por exemplo acima de 5g por dia/por pessoa (igual a 1 colher de chá), foram comprovados efeitos ansiogênicos, tóxicos, depressores, alucinógenos, entre outros. Por isso, sempre devemos buscar o equilíbrio e lembrar da famosa frase “A DIFERENÇA ENTRE O REMÉDIO E O VENENO, É A DOSE”.

Espero que tenham gostado e aprendido mais, ótimo feriado!

Até semana que vem!

Fonte: TEIXEIRA, Guiomar Francisca et al . Conteúdo de miristicina em preparados de noz moscada (Myristica fragans, Houtt).Rev. Inst. Adolfo Lutz (Impr.),  São Paulo,  v. 67,  n. 1, abr.  2008/ Oliveira, Guiomar Francisca Teixeira. Noz moscada, Myristica Fragans, Houtt: Um estudo de composição e efeito do consumo crônico no comportamento de animais de laboratório. Universidade federal do Rio Grande, Rio Grande, 2007/ Demetra; 2016. Caracterização de proriedades funcionais de ervas aromáticas. Universidade de São Paulo, São Paulo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s