Especial para as mulheres: alterações hormonais e alimentação

Boa noite leitores,

O dia das mães está se aproximando, mas é importante reforçamos que antes de sermos mães, somos mulheres né?! E por isso e pelas mil habilidades e afazeres que temos ao longo do dia, nossa saúde deve ser tratada como prioridade. Nós, mulheres, passamos por várias alterações hormonais durante a vida, e independente de qual fase da vida você esteja, a alimentação é sua melhor aliada. Veremos o porque e como, a seguir.

A primeira fase que passamos por alterações hormonais é a menstruação, a qual é dividida em duas fases, a folicular (sangramento até a ovulação) e a lútea (restante dos dias). Na primeira, temos a presença dos hormônios folículo-estimulante (FSH), luteinizante (LH) e do estrógeno, já na segunda há um grande aumento de estrógeno e progesterona. Estes hormônios influenciam o metabolismo do cálcio, magnésio, vitamina D e também do ferro, devido ao sangramento. Por isso, é importante ingerirmos alimentos ricos em cálcio (leia aqui), magnésio (Amêndoas, castanha de caju, banana, espinafre, feijão, cereais integrais, frango), vitamina D (veja aqui) e ferro (couve, leguminosas, oleaginosas, carnes).

A segunda, que na verdade é uma extensão da primeira, é a TPM (tensão pré-menstrual), já fiz uma matéria falando sobre esse período de “terror” para a maioria das mulheres, se você ainda não leu, clica aqui. Os sintomas da TPM ocorrem pelo excesso de estrógeno, deficiência de progesterona e pela deficiência da vitamina B6. Principalmente nos dias antes da menstruação, recomenda-se evitar a ingestão de açúcar, sal, cafeína, álcool e alimentos gordurosos, ingerir maior quantidade de água, praticar exercício físico e utilizar técnicas de relaxamento. Além de aumentar o consumo de alimentos diuréticos, ricos em cálcio, magnésio, antioxidantes (frutas e hortaliças, sementes e oleaginosas), fibras (frutas e hortaliças, cereais integrais), triptofano (aveia, mel, banana, ovos), ômega-3 (linhaça, peixe, azeite, oleaginosas) e vitamina B6 (peixe, oleaginosas, batata, cereais integrais, leguminosas).

Outra fase com inúmeras alterações hormonais é a gestação, se você já passou por isso sabe bem do que estou falando né?! A gestação é um estado caracterizado por uma diminuição da sensibilidade à insulina, parcialmente explicada pela presença de hormônios diabetogênicos (que deixa o organismo mais vulnerável ao Diabetes), tais como a progesterona, o cortisol, a prolactina e o hormônio lactogênico placentário. Além disso, ocorre com frequência durante a gestação, principalmente a deficiência de ferro e ácido fólico. Nessa fase, o cuidado com a alimentação é essencial para saúde da mãe e do bebê, o controle da ingestão de calorias, assim como a quantidade de carboidratos e gordura é a chave para evitar o diabetes gestacional, e o controle no consumo de sal para evitar pré-eclâmpsia (pressão alta na gestação). Também é recomendado uma alimentação equilibrada, rica em alimentos naturais e principalmente fontes de ferro e ácido fólico (leia mais aqui).

Por último, e não menos importante, a menopausa. Estudos afirmam que a diminuição da secreção dos hormônios ovarianos na menopausa seja a causa mais provável das mudanças metabólicas, aumento de peso, risco de hipertensão, osteoporose, diabetes,  doença cardiovascular, câncer de cólon e mama. O estrógeno é o principal hormônio sexual feminino, ele participa da ovulação, concepção, gestação, é responsável pela manutenção da integridade óssea e pela regulação dos níveis de colesterol. Após a menopausa, a produção desse hormônio cai, e assim algumas doenças (como as citadas acima) podem aparecer, pois isso uma alimentação regrada é recomendada em todos os casos, e a reposição hormonal em alguns deles (consulte um médico). Nessa fase, é importante acrescentar alimentos fontes de zinco (peixes, frutos do mar, cereais integrais, oleaginosas), que auxiliam na produção de hormônios e na melhora das funções ovarianas, de vitamina C (clique aqui para ler mais), de vitamina E, para diminuir as ondas de calor (um dos principais sintomas que muitas mulheres se queixam – sementes (de abóbora, girassol, linhaça, chia), oleaginosas (castanhas) e alimentos fontes de cálcio.

Para todas as fases da vida das mulheres o acompanhamento nutricional e médico é recomendado, com eles você estará amparada e instruída de acordo com o seu momento e as suas individualidades. Isso tudo que escrevi é só um resumo e serve como auxílio, e não como base, ok?!

Espero que tenham gostado e aprendido mais, mandem essa matéria para as mulheres da sua vida!

Até semana que vem!

Fonte: SAMPAIO, Helena Alves de Carvalho. Aspectos nutricionais relacionados ao ciclo menstrual. Rev. Nutr.,  Campinas ,  v. 15, n. 3, p. 309-317,  Sept.  2002/ Gravena AAF, Rocha SC, Romeiro TC, Agnolo CMD, Gil LM, Carvalho MDB, Pelloso SM. Sintomas climatéricos e estado nutricional de mulheres na pós-menopausa usuárias e não usuárias de terapia hormonal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013/ MAGANHA CA ET AL. TRATAMENTO DO DIABETES MELITO GESTACIONAL. Rev Assoc Med Bras 2003.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s